Congresso Nacional derruba veto e cria Refis para micro e pequenas empresas

0
45
Deputado Jorginho Mello defendendo as Micro e Pequenas Empresas

Congresso Nacional derruba veto e cria Refis para micro e pequenas empresas

O Congresso Nacional, composto pelos senadores e deputados federais, derrubou na noite desta terça-feira (3) o veto presidencial e criou o Refis para as micro e pequenas empresas. O programa de refinanciamento de débitos foi aprovado pela Câmara dos Deputados em dezembro, mas o presidente Michel Temer vetou a sanção da lei. O veto foi derrubado por 346 votos a 1 na Câmara e no Senado o placar foi de 53 votos a zero.

O programa vai beneficiar cerca de 600 mil empresas cadastradas no Simples Nacional, sendo em torno de 30 mil em Santa Catarina. Segundo o presidente da Frente da Micro e Pequena Empresa, deputado federal Jorginho Mello (PR-SC), caso o Refis para os pequenos negócios não fosse aprovado, havia a possibilidade de que 2,4 milhões de pessoas ficassem desempregadas. “Em média, cada micro e pequena empresa têm 4 funcionários e sem o refinanciamento muitas iam ter de fechar as portas”, exclamou o parlamentar.

A Feprag acompanhou o processo desde seu inicio e esteve presente neste momento muito importante, cobrando a igualdade de tratamento entre as Grandes e Pequenas e Micro Empresas, com seu Assessor Denilson Lehn, comemoramos o resultado da votação e afirmou que o Refis vai ajudar o setor neste momento de incertezas, mais uma vez atendemos o chamo do Deputado Federal Jorginho Mello que tem sido um grande defensor do setor de Controle de Pragas e do Presidente do SEBRAE Guilherme Afif Domingos.

Os pequenos negócios que aderirem ao Refis poderão fazer o parcelamento dos seus débitos em 180 meses, com redução de juros e multas, das dívidas das empresas participantes do Simples Nacional.

O parcelamento

Serão refinanciados os impostos vencidos até novembro de 2017. As empresas do Simples Nacional deverão dar entrada de 5% do total devido – que poderá ser dividido em até cinco prestações – e a dívida será reduzida de acordo com as condições do pagamento da parcela restante:

– pagamento integral: redução de 90% dos juros de mora (cobrados pelo atraso) e redução de 70% das multas.

 

– em 145 meses: redução de 80% dos juros de mora e de 50% das multas.

 

– em 175 meses: redução de 50% dos juros de mora e de 50% das multas.

Em todos os casos, o valor da prestação mensal não poderá ser menor que R$ 300. A adesão poderá ser feita em até 90 dias após a promulgação da lei.

Para os Microempreendedores Individuais (MEIs), as condições de pagamento serão as mesmas, exceto o valor mínimo das parcelas, que ainda será estabelecido pelo Conselho Gestor do Simples Nacional (CGSN).

FEPRAG em Reunião do Supersimples

Deixe seu Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here