Novas tecnologias de aplicação de inseticidas

Pest Controle de Pragas

Leia Também: Tecnologia de Aplicação de Inseticidas

PULVERIZADORES SIMÉTRICOS

Assim chamados pelo fato de se poder usar a alavanca dos dois lados, podem se de compressão prévia ou não. São os equipamentos que geram gotas em função de uma determinada pressão exercida sobre a calda. Após sua formação, as gotas são levadas ao alvo por pressão.

São os tradicionais pulverizadores costais. Nestes pulverizadores normalmente se bombeia até o máximo de pressão. A partir daí se libera o fluxo através do gatilho do pulverizador até não haver mais pressão onde se bombeia novamente. Isto causa problema na pulverização porque a vazão diminui conforme vai diminuindo a pressão.

Com isto não teremos uma pulverização homogênea da calda. Para evitar este problema, a partir do momento em que se atinge a pressão máxima a cada dois passos uma bombeada. Os aspersores de compressão, funcionam mediante a compressão do depósito por bombeamento do ar, o que faz com que o líquido entre na lança e chegue ao bico. No aspersor de mochila por alavanca o líquido a ser aspergido se bombeia desde o tanque até uma pequena câmara de pressão, comprimindo o ar que se encontra na câmara produzindo pressão de aspersão do líquido através da lança até o bico.

A tampa do tanque deverá estar equipada com um selo contra fuga para manter a pressão. A tampa se abre para dentro ou para fora. Normalmente se enche de líquido ¾ do tanque para que o restante seja preenchido de ar por manuseio de um êmbolo ou por ar comprimido, de forma que tenha uma boa quantidade de ar que demore a se esvaziar demorando para a pressão cair.

A bomba é formada por um embolo em T em uma extremidade e uma ventosa na outra dentro de uma válvula de retenção de um só passo por onde o ar entra (por isto de um passo) pois o ar não sai. A mistura sai do tanque sobre pressão através de uma mangueira flexível. A mangueira está conectada a uma lança rígida de aplicação que contem a pistola e o bico no extremo da lança. A pistola controla o ligar e desligar do aspersor sem fuga e nem gotejamento. Isto se faz através de um gatilho acionado por uma mola que fecha a válvula ao soltar a pistola.

É importante ter um filtro na lança para evitar o entupimento. O equipamento ainda tem um manômetro, uma válvula de segurança que se abrirá automaticamente se a pressão aumentar excessivamente e um sistema manual de redução da pressão para eliminar a pressão residual antes de abrir o tanque. O aspersor se leva à pressão até a pressão de trabalho recomendada mediante a ação de bombeio da alavanca de pressão. Uma vez que se inicia a aplicação a pressão no tanque diminui gradualmente ao esvaziar-se o tanque. Isto reduz a saída do líquido a menos que esteja equipado com uma válvula reguladora de pressão entre o tanque e o bico.

A consequência disto é que a pressão diminui gradualmente e é necessário voltar a comprimir o aspersor de vez em quando para evitar que a saída do líquido diminua a níveis tão baixos que possam ser inaceitáveis. Em comparação o aspersor AMP (sem compressão prévia) se bombeia continuamente durante a aplicação para manter a pressão.

Quando usar bico 80 aplicar a uma distância de 45 cm em uma faixa de pressão entre 173 – 380 KPA ( 1,73 – 3,8 bar ou 25 – 55 psi). Tem uma válvula que se adapta na ponta da lança que mantém a pressão constante. Se você precisar de 30 lbs que é a pressão usada normalmente em desinsetizadora, deverá usar uma válvula de 30 lbs. Se tiver pressão a mais tudo bem mas se ela foi calibrada para 30 lbs e tiver a menos ela para de funcionar precisando de mais pressão.

Esta válvula serve para compressão prévia ou costal simétrica (é a mais comum). A válvula de escape esta do lado do bico onde se adapta o compressor. A costal de 20 litros permite trabalhar até 50 libras. A válvula reguladora de vazão tem 4 tipos de pressão, a mais usada é a de 30 libras a maior é de 40 libras. Uma vez que se atinja o limite superior da pressão de trabalho a válvula reguladora de pressão se fecha.

É importante mantê-la limpa para que funcione corretamente, especialmente quando se usa PM, o que torna difícil a limpeza, por esta razão não são populares. Na bomba de compressão prévia cada bombeada dá 1 libra, na bomba de 10 litros cabem 60 libras. Tem uma válvula de escape que se você pressionar a mais o excedente sai por esta válvula. O mini estacionário pode ser 110, 220 e 12 V. A mangueira pode ser até 100m dando 50 libras. Coloca-se o pescador no reservatório e leva-se a mangueira.

1 - Pragas e Eventos
2 - Pragas e Eventos
3 - Pragas e Eventos
4 - Pragas e Eventos
5 - Pragas e Eventos
6 - Pragas e Eventos
7 - Pragas e Eventos
8 - Pragas e Eventos
9 - Pragas e Eventos

PULVERIZAÇÃO ESPACIAL

Este tipo de aplicação visa uma ação imediata do inseticida. Nesta técnica temos três fatores fundamentais: equipamento, inseticida e a hora de aplicação. Tem curta duração. É usado quando outras técnicas não puderem ser usadas ou houverem muitos objetos no local a ser tratado, locais de difícil acesso, momentos de epidemia para ocasionar uma queda rápida da população alvo ou o tempo em que o local ficará à disposição do aplicador.

Esta técnica consiste em saturar o ambiente com micro gotículas as quais serão levadas a todas as partes do recinto penetrando em todos os espaços. Partículas de 25 a 50µm são as mais usadas ao ar livre. Não são muito dispersadas a não ser com vento muito forte. É indicado para uma cobertura concentrada. Partículas menores que 25µm só servem para ambientes fechados.

Para a geração destas gotas podemos usar geradores de aerossol a frio (UBV); nebulizadores térmicos (fog) ou nebulizadores motorizados. UBV No UBV é a aplicação de menos de 5 litros por ha. No controle de insetos rasteiro a névoa ao penetrar nos esconderijos terá como efeito inicial a exclusão do inseto para um ambiente mais contaminado matando-o.

Estes geradores de aerossol produzem gotas mediante o impacto de um fluido (calda) com outro (corrente de ar) são o bico vorticial e o bico de cisalhamento pneumático de alta pressão. No bico vorticial a corrente de ar provem de um ventilador que forma um vórtice turbulento por uma série de defletores ou paletas fixas. O líquido se introduz na corrente de ar.

10 - Pragas e Eventos
11 - Pragas e Eventos

No bico de cisalhamento se alimenta com ar proveniente de um compressor que passa através da calda e cria as gotas mediante a ação de cisalhamento. Sua desvantagem é a facilidade de entupimento do bico. A tensão de cisalhamento é uma força que se aplica tangencialmente (tangencial porque é sobre a superfície do líquido) sobre um fluido deformando-o continuamente enquanto existir esta força, esta força é o ar.
Os UBV portáteis usam um motor elétrico ou de dois tempos. O motor impulsiona o ventilador para gerar o ar necessário para a atomização. A calda fica em um tanque que é succionado através do fluxo de ar. Os geradores de aerossóis frios usam formulações de inseticidas UBV, ainda que também se pode usar formulações de inseticidas CE diluídos em óleo mineral, vegetal ou similar para controles externos, ou com água para controles internos.

Sem%2Bt%25C3%25ADtulo - Pragas e Eventos

O motor impulsiona um ventilador para gerar o ar necessário para a atomização. O líquido se encontra em um recipiente e é succionado pelo fluxo de ar através de um restritor até o bico É importante se avaliar o tamanho das gotas antes de se fazer uma aplicação. Isto se faz passando-se uma lâmina siliconizada presa a uma vara e passando-a por dentro da névoa uma única vez a 10 m de distância do canhão. Posteriormente se avalia as gotas através de uma lupa.
Estas lâminas são feitas mergulhando-se uma lâmina de vidro em solução a 10% de silicone em tolueno por 30 minutos, retira-se para secar por 5 minutos, depois colocar em estufa a 90oC por 30 minutos e retira-se para esfriar e limpa-se com acetona. Pode ser reutilizada várias vezes, é só limpar com acetona.

Outra maneira é passar a mão duas vezes através da neblina a mais ou menos 1 m da saída do tubo de neblina, mantendo a mão, cada vez, cerca de ½ segundo na neblina até a mão ter ficado exposta pelo período de 1 segundo:


Mão úmida – gotas de 20 a 25 µm
Mão molhada – gotas entre 30 a 35µm
Mão ensopada – gotas com 40µm ou mais

Geradores de aerossol à frio produzem gotas entre 25 e 50 µm. Um gerador de aerossol frio portátil cobre de 0,1 a 0,5 l/ha. UBV – O volume de ar nos equipamentos de UBV posiciona-se em torno de 150 a 250 m³/minuto a uma velocidade variável de 180 a 280 Km/hora. O volume do líquido usado pode ser até de 350ml/min.

ATOMIZADORES COSTAIS E MANUAIS

Produzem gotas na ordem de 50-100m. São equipamentos de baixo volume. É formada por um ventilador movido por um motor de dois tempos produzindo uma corrente de ar de alta velocidade à qual se introduz o inseticida por um bico de cisalhimento.

A pressão negativa formada pela corrente de ar em movimento puxa a calda para a corrente de ar que atomiza em gotas de diferentes tamanhos. Esta corrente de ar se dirige para a mangueira de aplicação e para outra mais fina que vai para o tanque de inseticida mantendo uma pressão constante de 0,2 bar ou 3 psi mantendo o fluxo constante mesmo que seja direcionado para cima.

O bico consta de um restritor, disco giratório com vários orifícios ou ser intercambiável que é quem controla a vazão. Ao terminar o serviço fechar a chave de combustível deixando o carburador funcionando em seco para evitar a evaporação da gasolina no carburador durante o armazenamento o que poderá causar problema quando tiver que ligar de novo.

13 - Pragas e Eventos
14 - Pragas e Eventos
15 - Pragas e Eventos

A pulverização da calda ocorre pelo impacto de um fluxo de ar em alta velocidade causando uma quebra transformando-se em gotas. O fluxo de ar é gerado por um ventilador e normalmente no final do tubo condutor (bico) há uma diminuição do diâmetro à semelhança de um venturi que além de aumentar a velocidade do ar causa uma pressão negativa que succiona o líquido do tanque para esse ponto onde é injetado e quebrado em gotas. São as costais motorizadas.

16 - Pragas e Eventos

As gotas produzidas devem estar numa faixa de 50-100 m e com um motor de 35 cc devem ser projetadas pelo menos a 10m horizontalmente ou 6m verticalmente com uma velocidade do vento inferior a 0,5 m/s (indicada para uma densidade de gotas de ao menos 10/cm2).

Com um motor de 70 CC, os níveis são de 15 m horizontalmente e 8 m verticalmente. A manutenção básica é de um motor de dois tempos que é desenhado para manter uma lubrificação adequada. Usa-lo sempre em toda potencia para aumentar a vida útil. Usar sempre o óleo correto para motor de dois tempos (30SAE). Revise e limpe o filtro de ar após o trabalho do dia. Limpe regularmente a vela trocando-a a cada 250h de uso independentemente de sua condição. Revisar todas as mangueiras se estão bem conectadas e não vazam. Revisar periodicamente o selo da tampa do tanque de inseticida pois fuga de ar reduz a eficácia da velocidade de fluxo do ar.

17 - Pragas e Eventos

O volume de saída do ventilador é de uns 20 m3 de ar por minuto, a uma velocidade de 145 km/h, o que pode dar ao nebulizador um alcance horizontal de 20 m e vertical de 10m. Trabalham com gotas entre 25 e 100 µm. Gotas de 25µm chegam a 100m ajudado pela brisa. Para o controle residual de insetos necessita-se de uma deposição ao redor de 40 gotas/cm² com tamanho em torno de 120µm. A 3 bar (45 psi = 330 KPa = 3,15 kg/cm²) bicos 8002 e 8003 dão 0,79 (0,2 USgal/minuto) e 1,2 litros/minuto, respectivamente.

FOG

Gera uma névoa de gotas menor que 25m e a densidade de gotas é alta. Funciona em dose de volume superior ao UBV. Na fog se tem de 2-5 l/ha e no UBV de 0,1 – 0,5 l/ha. Os portáteis usam um motor pulsorreator e os em veículo um motor de 4 tempos. As gotas de neblina se produzem quando uma corrente de ar quente diminui a viscosidade do óleo onde o inseticida está diluído dividindo em pequenas gotas que ao sair pelo bico se condensa por encontrar um ambiente mais frio formando uma névoa de gotas pequenas.

A corrente de ar quente se forma mediante o escape de gás do pulsorreator ou da combustão interna. Os fog pulsorreatores estão formados por um tanque de combustível, um tanque de inseticida, um pistão manual ou uma bomba elétrica de fole, vela, carburador e um longo tubo de escape. Para ligar a máquina se coloca os dois tanques sob pressão usando o pistão ou fole. Se faz passar uma mistura de combustível e ar proveniente do carburador até a câmara de combustão.

O equipamento é ligado mediante uma faísca de alta tensão produzida pela vela uma única vez para a máquina funcionar. Ao arder, o combustível aquece o ar e a mistura deste ar quente com os gases da combustão saem do motor, a grande velocidade (este é o motor pulsoreator). Os gases de escape provenientes da câmara de combustão saem como uma onda de pressão de alta velocidade através de um tubo mais estreito que a câmara de combustão levando uma carga de ar e combustível através da válvula de retenção.

As cargas subsequentes de combustível e calda se aquece mediante os gases de escape quente da carga anterior. Se a máquina estiver funcionando corretamente de ar/combustível se observa 80 pulsações por segundo. Depois do motor ter esquentado (depois de funcionar uns dois minutos) se abre a válvula para permitir a saída da calda através de um restritor. Alguns equipamentos tem duas entradas de calda, uma de cada lado, dando uma melhor distribuição e dispersão do líquido.

É importante rever, periodicamente as válvulas e mangueiras para ver se estão bem conectadas ou cortadas. O pistão deve ser lubrificado com óleo a cada 10 horas. Verificar os selos das tampas de fechamento dos tanques de combustível e inseticida. Sempre feche o tanque de inseticida e corte o combustível antes de desligar o motor para evitar língua de fogo e entupimento do sistema.

18 - Pragas e Eventos
19 - Pragas e Eventos
20 - Pragas e Eventos
21 - Pragas e Eventos

Este equipamento gera uma neblina de gotas em alta densidade e é chamado de Termonebulizador ou Fog. Funciona em dose de volume superior aos geradores à frio. Um termonebulizador portátil cobre uma área de 2 a 5 l/ha enquanto que à frio é de 0,1 a 0,5l/ha. Os equipamentos menores estão equipados com um motor pulsoreator, enquanto que os maiores, montados em veículos tem um motor a gasolina de quatro tempos (combustão interna).

A neblina se forma quando uma corrente de gás quente (6.000 C) diminui a viscosidade do óleo, veículo do inseticida, dividindo a calda em pequenas gotas (< 25µm) que ao sair se condensa pela temperatura mais fria formando uma névoa.

22 - Pragas e Eventos

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

  1. Christofoletti,J.C. Manual Shell de máquinas e técnicas de aplicação de defensivos agrícolas. Programa Shell de manutenção segura de produtos. 122 pp., 1992.
  2. Franzak & Foster Co. Handbook of pest control. Arnold Mallis.., Cleveland, Ohio, USA. 7ª ed. 1990.
  3. Philip G. Koehler and William Hern, Jr. General Household Pest Control. Applicator training manual. University of Florida, Florida Cooperative Extension Service, 1994.
  4. Stoy A. Hedge. G.I.E Anthology. The Best of Stoy Hedges.. Media Inc., Publishers. Cleveland, Ohio, USA. 2001.
  5. Akenson, N. B.; Yates, W. E. Pesticide application equipment and techniques.

Roma: FAO, 1979. 257 p. (FAO Agricultural Services Bulletin).

  1. A.R. Silva, M.T. Leite, M.C. Ferreira1, M.V. Tambellini. Caracterização do diâmetro de gotas de aerossóis em inseticidas domissanitários.
    Arq. Inst. Biol., São Paulo, v.76, n.3, p.437-442, jul./set., 2009
  2. Aragão,M.B..; Amaral,R.S..; Lima,M.M.. Aplicação especial de inseticidas em saúde pública. Caderno de Saúde Pública, v.4, n.2, p.147-166, 1988.
  3. Chaim, A.; Maia, A.H.N.; Pessoa, M.C.P.Y. Estimativa da deposição de agrotóxicos por análise de gotas.
    Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.34, n.6, p.963-969, 1999.
  4. HANKS, J.E. Effect of drift retardant adjuvant on spray droplet size of water and paraffinic oil at ultra low volume.
    Weed Technology, v.9, p.380-384, 1995.
  5. Cunha, J.P.A.R.; Teixeira, M.M.; Coury, J.R.; Ferreira, L.R.
    Avaliação de estratégias para redução da deriva de agrotóxicos em pulverizações hidráulicas.
    Planta Daninha, v.21, n.2, p.325-332, 2003.
  6. Termonebulizador Profog – Manual de operação –  Malva Defensivos e equipamentos Fito e Domissanitários. Rua Alcaméia, 116 – Olaria – Rio de Janeiro. profog@malva.com.brwww.malva.com.br
  7. Antonio Zózimo de Matos Costa; João Louis Pereira; Jackson de Oliveira César; Luis Carlos Lima. Tecnologia de aplicação de agroquímicos
    www.ceplac.gov.br/radar/Artigos/artigo1.htm
  8. Pulverizador – Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos e Adjuvantes
    Treinamentos em Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos e Adjuvantes
    Recomendação de pontas e tamanho de gotas para aplicações de agroquímicos na fase vegetativa das culturas.
    https://pulverizador.blogspot.com.br/
  9. José Maurício Góis, Mauri Martins Teixeira, Renato Adriane Alves Ruas.
    Operação e manutenção de pulverizador costal motorizado
    LK Editora. Coleção:  TECNOLOGIA FACIL. 1ª Edição, 2008, 156 pgs. ISBN:  858789031X
  10. Prof. Dr. Antonio Lilles Tavares Machado. Máquinas para tratamentos culturais. Aplicaçao de produtos químicos. Universidade Federal de Pelotas – Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel
    Junho de 2007
  11. Tecnologia de aplicação. Manual de tecnologia de aplicação/ANDEF
    Associação Nacional de Defesa Vegetal. Campinas, SP. Linea Criativa – 2004
  12. Manual Técnico Sobre Orientação de Pulverização. Máquina Agrícolas Jacto
    Rua Dr. Luiz Miranda, 1650, Pompéias, SP
    jacto@jacto.com.br
    www.jacto.com.br
    maio, 2001
  13. COGAP – Comitê de Boas Práticas Agrícolas. Associação Nacional de Defesa Vegetal. ANDEF
    andef.com.br | andef@andef.com.br
  14. João Cleber Modernel da Silveira. Universidade Federal de Viçosa – UFV.
    Centro de Ciências Agrárias – CCA. Departamento de Engenharia Agrícola – DEA. Engenharia da Aplicação de Defensivos Agrícolas
    Pulverizadores Pneumáticos
    Viçosa, MG. Novembro – 2007

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *