Escorpiões venenosos tiram o sono da população de Porto Alegre

0
14
Prefeitura de Porto Alegre lançou um alerta para os riscos de ataque de escorpião amarelo, após uma criança de cinco anos ser picada

Nesta semana, a Prefeitura de Porto Alegre lançou um alerta para os riscos de ataque de escorpião amarelo, após uma criança de cinco anos ser picada no bairro de Lomba do Pinheiro, na Zona Leste da capital gaúcha. O escorpião é um grave problema conhecido nas cidades do interior, mas está cada vez mais recorrente nos grandes centros urbanos. O crescimento desordenado das grandes capitais e a falta de saneamento básico geram acúmulo de lixo e entulho em algumas regiões, um habitat perfeito para esse tipo de praga, que se alimentam de baratas e outros insetos e se abrigam em locais escuros e úmidos.

Confundidos com insetos comuns, os escorpiões são, na verdade, araquinídeos e possuem um veneno que ao entrar nos organismo humano, causam fortes dores, inflamações e podem até levar à morte de idosos e crianças pequenas. Devido à confusão, um dos erros mais comuns das pessoas é tentar matar esses animais usando inseticidas comuns, deixando-os mais agitados e agressivos. “Esses produtos agem no sistema nervoso, e antes de mata-los deixam-os agitados e aumentam os riscos de ataques”, diz Maria Fernanda Zarzuela, bióloga especialista no controle de pragas urbanas da Bayer.

“O ideal é utilizar os produtos específicos para esta espécie, que ao invés de causar agitação, acalma e matam os animais de forma segura”, completa a especialista. Os produtos que combatem os escorpiões são de venda controlada e só podem ser utilizados por empresas especializadas e equipes treinadas. Quando identificada a presença desses animais, a zoonoses locais devem ser acionadas e uma empresa de controle de pragas especializada deve ser chamada.

Publicidade

Sobre o escorpião – Considerados uma praga urbana, esses pequenos aracnídeos possuem um veneno na ponta do abdome que quando inserido no corpo humano pode causar fortes dores no local da picada, que vão aumentando com o passar do tempo e taquicardia, que pode ser fatal para idosos e crianças. Existem mais 1.200 espécies de escorpiões, mas, segundo informações da prefeitura de São Paulo, duas foram as que mais se adaptaram às cidades, o escorpião marrom (Tityus bahiensis) e o amarelo (Tityus serrulatus).

Deixe seu Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here