Feirante é picado por escorpião na Torre de TV, em Brasília

Homem tem 45 anos e trabalha em banca de flores; ele capturou animal. Vítima apresentava dores no tornozelo e cabeça e foi levado a hospital.

0
17

Um homem de 45 anos foi picado por um escorpião na noite desta quarta-feira (26) na Torre de TV, na área central de Brasília. A vítima trabalha em uma banca de flores e foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros.

De acordo com a corporação, o homem estava com dores no tornozelo e dor de cabeça. Ele foi levado para o Hospital Regional da Asa Norte. O próprio feirante capturou o escorpião. A espécie do animal não foi informada.

O escorpião amarelo é a espécie mais comum encontrada em área urbana no DF e em todo o país. A depender da quantidade de veneno liberada e da idade da vítima, a picada pode ser fatal. O animal tem hábitos noturnos e costuma se esconder em áreas escuras.

A farmacêutica do Centro de Informações Toxicológicas do DF Sandra Márcia da Silva afirma que o escorpião ataca como um mecanismo de defesa. “O escorpião vai picar a partir do momento que você pressioná-lo. Você vai calçar um sapato e introduz o pé onde ele está, você vai pressioná-lo e a resposta dele é a picada”, explica.

Segundo especialistas, uma boa forma de manter a casa livre de escorpiões é manter os ralos dos banheiros fechados. Se não houver um mecanismo próprio, pedaços de borracha ou plástico podem ser usados para vedar o buraco.

Na maior parte dos casos, o acidente é leve e os sintomas são apenas locais, como inchaço na área e formigamento. Nestas ocorrências, o paciente fica em observação no hospital e não precisa tomar o soro escorpiônico. Em alguns casos, no entanto, o veneno pode causar danos ao pulmão e alterar a frequência cardíaca.

Sandra explica que, em caso de acidente, o paciente deve lavar bem o local da picada e, se possível, aplicar uma compressa de gelo para aliviar a dor. Em seguida, é preciso se dirigir a uma unidade de saúde do DF – a exceção é o Hospital de Base, que não tem atendimento de clínica médica.

O Centro de Informações Toxicológicas também oferece esclarecimentos por telefone. O número é 0800-644-6774.

Deixe seu Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here