Vídeo mostra produtos junto a fezes em supermercado interditado, em GO

Supermercado Extra está fechado por tempo indeterminado, diz polícia. Assessoria informou que 'fato não corresponde ao padrão da companhia'.

0
41

[evp_embed_video url=”https://voddownload01.video.globo.com/v0/0f/b7/7c/5077430_7c68a10706d4cfa9bed3ebdcc73ef5a2b54418b2/5077430-web720.mp4″]

O Supermercado Extra do Setor Serrinha, em Goiânia, que foi interditado após uma fiscalização encontrar alimentos mal acomodados, junto a fezes e até animais mortos, continua fechado por prazo indeterminado. Imagens obtidas com exclusividade pela TV Anhanguera mostram que brinquedos eram guardados em um depósito totalmente sujo, além de rações de cães e gatos armazenadas direto no chão (veja acima).

Em nota, a assessoria de imprensa do Extra disse que os problemas encontrados não correspondem aos padrões exigidos pela companhia e que vai corrigir as irregularidades.

O estabelecimento foi fechado na segunda-feira (6), durante uma operação realizada em conjunto entre a Vigilância Sanitária, a Superintendência de Proteção aos Direitos do Consumidor (Procon-GO) e a Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Consumidor (Decon).

O fiscal que gravou o vídeo se espantou em ver a forma como os produtos eram armazenados. “Olha só a quantidade de brinquedos sendo guardados sem o menor cuidado com a higiene. O que chama a atenção é que esses materiais estão em contato com fezes de animais”, disse ele.

Esses brinquedos foram descartados, mas a fiscalização ainda encontrou outras irregularidades, como alimentos impróprios para o consumo, fraldas descartáveis mantidas em cima de inseticidas, sacos de alimentos perto de fezes de ratos, além de carcaças de animais mortos.

“O próprio pó já fica contaminado desses micro-organismos, imagina só um brinquedo, que as crianças colocam na boca. As fraldas estavam totalmente cheias de avarias e esse é um veículo de contaminação para quem for usar. E havia riscos para os animais também , pois imagina só eles consumindo uma ração contaminada”, destacou a chefe de Vigilância Sanitária, Maria Agostinho.

Supermercado armazenava brinquedos em área suja, diz polícia (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Supermercado armazenava brinquedos em área suja, diz polícia (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

 

Mais irregularidades
De acordo com o delegado Webert Leonardo, adjunto da Decon, além das questões de higiene, outro problema encontrado foi encontrado na forma equivocada de manter produtos congelados. Ele explicou que o estabelecimento realizava uma manobra para economizar energia sem se preocupar com a qualidade dos alimentos.

“Constatamos que eles desligavam o refrigerador durante a madrugada, provavelmente para gastar menos energia. Os potes de sorvete, por exemplo, estavam todos derretidos”, destacou o delegado.

Ainda segundo Webert Leonardo, o supermercado é reincidente, uma vez que em novembro do ano passado, o local já havia sido interditado por comercializar produtos vencidos. Na ocasião, o gerente chegou a ser preso. Desta vez, ele conseguiu deixar o prédio antes de ser detido.

“Esse estabelecimento é uma exceção, ou seja, a nossa operação realizada lá no ano passado resultou na prisão do gerente, a interdição do local, a aplicação de multa, a apreensão dos produtos impróprios para o consumo, mas me parece que não surtiu efeito. Daí isso motivou essa nova operação e vamos realizá-la até que esses efeitos sejam almejados”, disse o delegado, que ressaltou que o comércio segue fechado por tempo indeterminado, até que todas as irregularidades sejam sanadas.

“Vale ressaltar que os responsáveis serão indiciados por crime contra as relações de consumo, cuja pena varia de dois a cinco anos de detenção”, concluiu.

Força-tarefa
Desde julho do ano passado, uma força-tarefa fiscaliza supermercados em Goiânia. No segundo semestre de 2015, cinco estabelecimentos foram interditados por causa de irregularidades. Já neste ano, o número chega a quatro.

“Às vezes a gente pensa que está enxugando gelo, pois um estabelecimento de um porte desses [Extra], de uma rede nacional, que já havia sido interditado, você retorna seis meses depois e encontra essa situação, a única opção é interditar. Mas só isso não resolve. É preciso ter uma conscientização”, destacou Maria Agostinho.

Polícia achou alimentos em contato com fezes de animais em supermercado (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Polícia achou alimentos em contato com fezes de animais em supermercado (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Deixe seu Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here