Carros comprados para ações contra dengue viram criadouros de mosquito

Mais de 20 veículos foram encontrados abandonados em pátio, em Cuiabá. Além de carros antigos, veículos novos da pasta estão sem uso.

0
19

Mais de 20 carros adquiridos para atuar em ações de combate ao mosquito Aedes aegypti emCuiabá estão abandonados e com água acumulada, servindo de criadouro para o mosquito da dengue, em um pátio da Secretaria Estadual de Saúde (SES), no Bairro Carumbé. Além disso, o estado também tem outros veículos novos que estão sem uso.

Segundo assessoria da Secretaria Estadual de Saúde (SES), parte dos carros foi levada para a oficina e o restante encaminhado para a sede da pasta que fica no Centro Político Administrativo, na capital. A secretaria também informou que os veículos serão reformados aos poucos e que os novos serão alocados em um ambiente apropriado para serem usados em casos de emergência.

Os veículos eram utilizados justamente em ações de combate à dengue. Eles começaram a ser levados para oficinas e devem passar por reformas para serem utilizados.

Além dos carros antigos, vários veículos novos que ainda não foram utilizados também estão parados. Esses carros novos serão usados em situações de emergência em municípios do interior do estado, segundo a secretaria.

Eles estão alocados no pátio da SES, no Centro Político Administrativo, e, por enquanto, não estão disponíveis para trabalho. Segundo a pasta, cerca de R$ 1 milhão foi gasto na compra desses carros.

Carros estão abandonados em pátio da Secretaria de Saúde de MT (Foto: Reprodução/TVCA)Carros estão abandonados em pátio da Secretaria de Saúde de MT (Foto: Reprodução/TVCA)

Investigação
O Ministério Público Estadual (MPE) abriu um inquérito para investigar como foram realizados os investimentos na saúde a partir de um repasse de R$ 25 milhões – que serviriam para o combate à dengue – feito pelo Fundo Nacional de Saúde ao estado.

“O dinheiro já é pouco para a saúde. E, se ele já é pouco, tem que ser investido de maneira correta e que sirva corretamente à população, especialmente em Mato Grosso onde temos índices muito altos de doenças desse tipo”, argumentou Alexandre Guedes, promotor de Justiça de Mato Grosso.

O MPE também deve investigar por que os carros novos que foram comprados para substituir a frota antiga estão parados e sem utilização no pátio da secretaria. O inquérito civil público foi aberto após um relatório da Controladoria Geral da União (CGU) apontar que os recursos não foram aplicados corretamente.

Água parada com folhas secas na carroceria de veículo (Foto: Reprodução/TVCA)Água parada com folhas secas na carroceria de veículo (Foto: Reprodução/TVCA)

Outro lado
O secretario estadual de Saúde, João Batista Pereira da Silva, reconheceu que os veículos antigos estavam alocados em locais inapropriados e servindo como criadouros da dengue. Ele comentou que esses carros já estão sendo realocados e que já estão sendo consertados.

Sobre os carros novos, o secretário explicou que eles foram deixados em um local protegido e que deverão ser utilizados em casos específicos.

“Esses veículos que nós adquirimos serão utilizados para substituir os antigos e estarão sendo acondicionados em uma garagem, devidamente monitorados, para que possam atender às necessidades em casos de urgência e emergência no combate do Aedes aegypti”, explicou.

Sobre os repasse feito pelo Fundo Nacional de Saúde, ele argumentou que nem todo o dinheiro está sendo gasto no combate à dengue.

“Nós temos várias ações em que esses recursos podem ser empregados. Como, por exemplo, em nossas campanhas de vacinação antirrábica. E temos também valores específicos que podem, claro, ser utilizado ao combate ao Aedes aegypti”, comentou.

Larvas foram encontradas na água parada nos carros antigos (Foto: Reprodução/TVCA)Larvas foram encontradas na água parada nos carros antigos (Foto: Reprodução/TVCA)

Doenças
Segundo a SES, Mato Grosso já registrou 26.598 casos de dengue neste ano. Durante o ano passado, nesse mesmo período, o estado havia registrado 23.811 notificações, o que representa um aumento de 12%.

A pasta também informou que em 2016 já foram computados 24.405 casos suspeitos de infectados pelo vírus da zika. O número representa uma incidência de 747 casos por 100 mil habitantes. No caso da febre chikungunya, Mato Grosso teve 1.409 casos. A incidência dessa doença representa 43 registros por 100 mil habitantes.

Deixe seu Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here