Com 82 casos de dengue, Saúde usará fumacê

Fumacê Cascavel

Devido ao aumento significativo de casos positivos de Dengue em nosso Município – em especial na região do Bairro Alto Alegre, a Divisão de Vigilância em Saúde Ambiental solicitou apoio à Secretaria de Estado da Saúde, que liberou a pulverização com UBV (Ultra Baixo Volume) pesado no bairro, o popularmente conhecido “Fumacê”.

A ação terá início esta semana, abrangendo 233 quarteirões do Alto Alegre, assim que Cascavel receber o veículo equipado com a bomba de pulverização, cedido pela Secretaria de Estado da Saúde, para este fim.

No último dia 7, a CGN havia noticiado que eram 48 casos da doença. Agora já são 82. Outros 292 casos suspeitos aguardam resultado. 

O veículo a ser usado no combate vem de Maringá, cidade que solicitou aplicação para 3 mil quarteirões. A aplicação de inseticida ”fumacê” é liberada apenas em casos específicos, após análise do índice de infestação, levando-se em consideração o número de habitantes do bairro e o índice de casos positivos. É a última alternativa utilizada para controle do vetor (mosquito alado), uma vez que não combate os focos. Em Cascavel, dos 82 casos positivos de dengue, 47 estão no Bairro Alegre. A última vez que Cascavel havia solicitado a aplicação do inseticida, foi no ano de 2012.

“Salientamos que a participação da população é primordial para o controle efetivo do mosquito transmissor, uma vez que, mesmo com aplicação de inseticida, se não ocorrer a eliminação de criadouros e focos pela população dentro das residências, novos mosquitos irão eclodir e todos os esforços serão em vão”, detalha a diretora da Vigilância em Saúde, Beatriz Tambosi.

Aplicações

De acordo com ela, as aplicações serão concentradas somente neste bairro e serão realizadas das 5 horas às 10 horas e das 17 horas às 22 horas. A atividade será divulgada com antecedência, na imprensa, e também com carro de som na área a ser trabalhada, no dia anterior à aplicação, para que os morados possam abrir os imóveis, recolher os animais antes da aplicação, cobrir gaiolas, proteger alimentos, tampar caixas de água e proteger pessoas alérgicas ou com problemas respiratórios.

De acordo com Beatriz, a melhor prevenção e a maneira mais eficaz de controlar a transmissão de casos de arboviroses é a eliminação mecânica de criadouros. Isso significa retirar e/ou vedar os recipientes que acumulam água. “Reforçamos que é preciso eliminar todo tipo de foco de criadouro, em água parada. Do contrário não conseguiremos conter a propagação do mosquito”.

Autor: Comunicação Pragas e Eventos

Você encontrou algo no nosso site que parece estar incorreto?
Deseja nos enviar alguma crítica ou sugestão sobre ele?
Basta entrar em contato conosco pela secção de comentários aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *