Leishmaniose causa morte de bebê de 10 meses no interior de SP

Um bebê de 10 meses morreu após ser acometido pela leishmaniose visceral, nesta segunda-feira, 4, no Hospital Regional de Presidente Prudente, no interior de São Paulo. A criança manifestou sintomas da doença em Panorama, cidade da região, e permaneceu 14 dias internada. De acordo com o hospital, a menina deu entrada no pronto-socorro da unidade no último dia 22 e, após ser diagnosticada com a forma visceral da leishmaniose, permaneceu sob cuidados intensivos da equipe médica.

0
3

“Na data de hoje, 4, seu estado de saúde se agravou, evoluindo a óbito”, informou, em nota, a unidade de saúde.

De acordo com a família, que é moradora de Dracena, na Alta Paulista, a menina Karoline Zolin Mattos passava alguns dias na casa da avó, em Panorama, quando começou a passar mal. Levada para o hospital da cidade, os médicos suspeitaram de leishmaniose e providenciaram a transferência para o Regional de Presidente Prudente, que é referência para a região.

Nas duas cidades, a Vigilância Epidemiológica foi notificada para tomar medidas de bloqueio do caso. Agentes estão visitando as casas vizinhas da família, em Dracena, e da avó da criança, em Panorama, para aplicar inseticidas e retirar material que serve de abrigo para o mosquito palha, principal transmissor.

A doença é causada por protozoários transmitidos pelo mosquito durante a picada. Se não controlada no início, a leishmaniose pode causar inchaço do fígado e do baço, afetando o sistema hematológico. O protozoário pode atingir a medula óssea e, se não tratada, a doença leva à morte em 90% dos casos. Os cães entram no processo de transmissão, pois, quando picados pelo mosquito, desenvolvem a doença e passam adiante. Como vivem próximos do homem, acabam sendo importantes agentes de transmissão nos locais em que há presença do mosquito.

Deixe seu Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here