Mais de 700 casos de leishmaniose foram confirmados em 2016, no AP

0
11

Pelo menos 703 casos de leishmaniose tegumentar ocorreram em 2016 no Amapá, segundo informações da Secretaria de Estado de Saúde (Sesa). A doença é transmitida para humanos por meio do mosquito da espécie Lutzomya. A cidade de Oiapoque, a 590 quilômetros de Macapá, liderou as estatísticas com 130 casos confirmados, de acordo com o governo.

Os dados são da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (CVS), que registrou um aumento da doença que é causada por protozoários do gênero leshmania e transmitida aos animais e humanos por picadas de mosquitos. Em 2015, foram 588 casos registrados em todo o estado.

Além de Oiapoque, outros municípios registraram casos da doença. Pedra Branca do Amaparí teve 126 registros, seguido de Calçoene com 121 e Serra do Navio com 86 casos. Dos 16 municípios do estado, apenas Cutias e Itaubal não têm registros da doença. A capital Macapá registrou 44 casos, segundo a CVS.

A leishmaniose tegumentar é uma doença caracterizada por atingir a pele humana e o principal indício é uma ferida que custa a cicatrizar. Os animais silvestres são os principais reservatórios do protozoário.

A Sesa informou que quando o município sinaliza ao Estado sobre o aumento dos casos da doença, é feito um trabalho de controle vetorial com bloqueio de transmissão viral nas localidades.

“Quando município pede o apoio ao Estado, a CVS intervém, articula ações com os órgãos municipais de saneamento e limpeza, capacita os agentes de endemias para agir com mais vigor nas visitas domiciliares, realiza ações educativas e de mobilização para incentivar também a participação da população no controle da doença”, explicou Clóvis Miranda, coordenador de Vigilância em Saúde.

A CVS reitera ainda que a doença se apresenta sazonalmente nos municípios em função das condições climáticas da região. Nos meses com maior índice de chuvas, devido o aumento da população de vetores da doença, os casos tendem aumentar, enquanto nos meses mais secos há menor número de casos registrados, detalha a coordenadoria.

Deixe seu Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here