Pará registra 354 casos notificados de dengue; 619 de chikungunya e 29 de zika em janeiro de 2019, diz Sespa

O Pará registrou 354 casos de dengue no mês de janeiro de 2019, de acordo com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), o que aponta redução de 54% em relação ao período anterior, quando foram 779 ocorrências. Este ano, foram 125 casos confirmados, 175 ainda em investigação e 54 descartados.

Já a febre chikungunya, foram 671 casos notificados, sendo que 54 foram confirmados. Em janeiro de 2018, foram 821, o que representa redução de 24,61%.

E, em relação à zika, foram 29 casos, quando em janeiro de 2018 foram 71, sendo cinco casos confirmados e os demais estão em investigação. A redução foi de 59,15%.

As informações foram divulgadas na noite desta terça-feira (5) pelo 1º Informe Epidemiológico da Dengue, Chikungunya e Zika este ano. Não houve mortes confirmadas das doenças no referido mês, segundo a nota.

Fonte: Sespa

No Pará, os dez municípios com mais casos de dengue confirmados são São Félix do Xingu, com 74; Parauapebas, com vinte; Novo Repartimento, com cinco; Canaã dos Carajás, com quatro; Tailândia e Mãe, com três; e Jacundá, Marabá, Santarém e Palestina do Pará, com dois.

Em relação aos casos de chikungunya, foram 319 notificações em Belém; 103 em Ananindeua; 78 em Marituba e 13 em Mãe do Rio. Quanto aos casos confirmados, Belém teve 27 casos, seguida de Mãe do Rio e Marituba, com oito casos confirmados cada um.

Sobre casos de microcefalia, a Sespa disse que, de 2015 até então, foram notificados 136 casos, sendo 24 confirmados por relação com o zika vírus. Cinco casos foram descartados, seis estão sem classificação e 101 permanecem em investigação.

A Coordenação Estadual de Controle da Dengue informou, no entanto, que os números estão sujeitos a alterações, devido o atraso no repasse de dados pelos municípios ao nível regional e também pela espera de resultados laboratoriais, duplicidades, descarte por outras causas e exclusão.

Prevenção

A coordenadoria informou que a população deve continuar prevenindo contra as doenças, eliminando possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti, principalmente no período chuvoso. É recomendável:

  • guardar as garrafas sempre viradas para baixo;
  • encher pratinhos de vasos de plantas com areia até a borda;
  • manter bem tampados baldes, tonéis e caixas d’água;
  • guardar pneus ao abrigo da chuva e da água;
  • limpar calhas no telhado;
  • não deixar água parada sobre a laje;
  • colocar o lixo em sacos plásticos bem fechados dentro de uma lixeira tampada;
  • e fazer manutenção de piscinas utilizando produtos químicos apropriados.

Autor: Comunicação Pragas e Eventos

Você encontrou algo no nosso site que parece estar incorreto?
Deseja nos enviar alguma crítica ou sugestão sobre ele?
Basta entrar em contato conosco pela secção de comentários aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *