Sobe para 46 o número de mortes por febre amarela

Ainda há casos em investigação. No Rio, Fiocruz promove encontro com cientistas, gestores de parques e guias de ecoturismo para discutir estratégias de contenção da doença

0
18

O número de mortes confirmadas por febre amarela subiu para 46, de acordo o último boletim do governo federal. Até agora, foram reportadas 113 mortes. Desse total, 64 ainda estão em investigação. Até 30 de janeiro, o País registrou 568 casos suspeitos.

Preocupados com o avanço da doença e com o número de casos em Minas Gerais, cientistas e profissionais da saúde se encontram nesta terça-feira (31) no Rio de Janeiro para debater meios de impedir que a enfermidade alcance os  centros urbanos. A meta é discutir propostas para uma ação integrada na luta contra doença. Não se pode repetir os erros cometidos no controle da dengue, seguida pela zika e pela chikungunya.

mapa222

Estratégia de bloqueio recomenda vacinação especialmente nas áreas de fronteira com estados não atingidos. Fonte: Ministério da Saúde


O evento, promovido pela Fiocruz e secretaria estadual da Saúde, fará um balanço do problema no País e da estrutura para o enfrentamento de surtos. Discutirá também o monitoramento de primatas em território fluminense e buscará alinhar ações para a detecção precoce de macacos mortos.

          O encontro começa às 8h30 no auditório do Museu da Vida, no campus
         da Fiocruz, em Manguinhos, e vai até as 15 horas. É aberto a interessados.
Inscrições no local.

Além de especialistas e autoridades de saúde, foram convidados gestores de unidades de conservação, guardas-parques, montanhistas, guias de ecoturismo, moradores de comunidades rurais do entorno de áreas naturais, pesquisadores em campo.

O fluxo das notificações, que precisa ser rápido em apontar os casos em macacos e humanos, faz parte da pauta. Um dos recursos avaliados será o Siss-Geo, uma nova ferramenta de monitoramento de epizootias – enfermidades contagiosas que atacam um número inusitado de animais ao mesmo tempo e na mesma região e que se propagam com rapidez. É o que está ocorrendo com os primatas.

A vigilância da morte dos macacos é muito importante para medir o avanço da doença. Em sua versão silvestre, a febre amarela é transmitida pelos mosquitos do gênero Haemagogus e Sabhete. Eles incubam e passam a transmitir o vírus após picar macacos infectados pela doença. Por isso, a morte de macacos em florestas e áreas rurais é um alerta da ocorrência da doença.

A forma urbana da febre amarela é transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti, que infesta as cidades brasileiras e é responsável também pela disseminação da dengue, da zika e da chikungunya.

Se o Aedes picar uma pessoa infectada pelo vírus da febre amarela, pode se contaminar e disseminar o vírus nas cidades. Medidas de vigilância contra o mosquito devem ser intensificadas

Quem deve ir ao posto se vacinar

Ao todo, a população de 19 estados brasileiros têm indicação para se vacinar. As pessoas devem procurar os postos de saúde para tomar a vacina.

A estratégia do governo federal é bloquear o avanço da doença da zona rural para as cidades vacinando a população de regiões vizinhas a Minas Gerais.

São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Espírito Santo fazem parte do plano de reforço vacinal.

Confira aqui a lista oficial de municípios onde a população deve se vacinar.

Com dados da Agência Brasil, Agência Fiocruz e Ministério da Saúde

Deixe seu Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here