Número de casos suspeitos de dengue no Centro-Oeste de Minas cresce cerca de 657% no primeiro trimestre de 2019

normal imagem materia - Pragas e Eventos

O número de casos suspeitos de dengue nos 54 municípios que integram Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Divinópolis, no Centro-Oeste de Minas, cresceu 657,25% no primeiro trimestre de 2019.

Para realizar o levantamento, o G1comparou dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) divulgados nos dias 26 de março de 2018, que revelou que existiam 662 casos suspeitos de dengue na região, e no dia 25 de março de 2019, quando o levantamento da SES-MG apontou 5.013 casos sob investigação.

Conforme os dados, até o final de janeiro de 2018, foram notificados 106 casos suspeitos da doença na região. No mesmo período de 2019, foram registradas 723 notificações – um aumento de 582%.

Em fevereiro, o aumento foi de 1.925,64% no número de notificações: a região passou de 156 casos prováveis em fevereiro de 2018 para 3.160 em 2019.

De acordo com o Ministério da Saúde, existem quatro tipos diferentes do vírus da dengue. São eles: Den-1, Den-2, Den-3 e Den-4. Embora causem os mesmos sintomas, uma pessoa não pode ser infectada pelo mesmo tipo da doença mais de uma vez.

Contudo, segundo o infectologista Lécio Vasconcelos, embora a pessoa só possa pegar dengue quatro vezes na vida, o risco de contrair dengue hemorrágica aumenta caso a pessoa tenha a doença mais de uma vez.

“O sistema imune, quando já conhece, quando já entrou em contato com um quadro de dengue, o segundo episódio, o terceiro episódio, pode evoluir com mais gravidade. Não quer dizer que vá evoluir, a maioria das pessoas terão a dengue clássica, mas, o risco de ocorrer uma dengue hemorrágica aumenta no segundo episódio ou terceiro”, contou.

Casos por município

O levantamento feito pelo G1 revelou um aumento significativo de casos suspeitos de dengue em todos os municípios da região. O maior deles foi registrado em Arcos, cidade com maior número de notificações de 2019 até o momento.

Em Arcos, o aumento no número de casos prováveis da doença é de 5.932,35%. Até o dia 26 de março de 2018, o município havia registrado 34 notificações da doença, já até o dia 25 de março de 2019, foram 2.051 casos.

G1 procurou a assessoria de comunicação da Prefeitura de Arcos para falar sobre o aumento significativo. Contudo, a reportagem não obteve retorno até a publicação desta matéria.

Outra cidade que teve um aumento significativo no número de notificações no período foi Lagoa da Prata. A cidade passou de 38 casos suspeitos notificados até março de 2018 para 579 no mesmo período de 2019. Um aumento de 1.423,68%.

A reportagem também não conseguiu contato com a Prefeitura da cidade para falar sobre o aumento.

A maior cidade e sede da SRS na região, Divinópolis, registrou um aumento de 554,76% no período, passando de 42 casos suspeitos registrados até março de 2018 para 275 em 2019.

Já Nova Serrana passou de 228 casos suspeitos em 2018 para 225 em 2019. Redução de 1,31%. Moema, que passou de 75 casos prováveis em 2018 para 2 em 2019, também apresentou redução. Na cidade, os casos notificados caíram 97%.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *